Amigos do Fingidor

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Luiz Bacellar



Inácio Oliveira

Hoje lembrei-me de Luiz Bacellar. Tive a oportunidade de conviver com ele e a desperdicei. Quando cheguei a Manaus, vindo do interior: inocente, puro e besta; conheci o Zemaria Pinto, autor de Fragmentos de silêncio, livro que eu lia nos porões da biblioteca pública de Óbidos. Ele me convidou para seu aniversário de 52 anos, disse-me que seria num bar chamado El Perikiton que havia fechado, mas que abria excepcionalmente para receber a Panelinha. A Panelinha, ele me explicou, tratava-se de uma sociedade lítero-gastronômica que se reunia ordinariamente aos sábados. No dia combinado eu fui o primeiro a chegar, pontualmente ao meio dia, esperei mais de uma hora até que os primeiros membros da “panelinha” começaram a aparecer por volta de uma da tarde. Primeiro apareceu o jornalista e escritor Marco Adolfs, o compositor Nato Neto, depois a atriz Koia Refkalefsky, mais tarde os professores Alisson Leão e Marcos Frederico, os poetas Cláudio Fonseca e Dori Carvalho, e ainda Tenório Telles, por último apareceu o aniversariante e um senhor franzino de uns setenta anos, discreto e elegante. Que me foi apresentado como Luiz Bacellar, ele me ignorou solenemente, é claro.
Lembro que ao todo havia doze pessoas à mesa, lembro-me disso porque alguém fez um gracejo dizendo que éramos os doze apóstolos e que o Bacellar devia sentar-se à cabeceira como se fosse o Cristo, mas ele se recusou, então calhou dele sentar-se ao meu lado. Eu conhecia sua fama de ranzinza e não tive coragem de lhe dirigir a palavra. Ele cruzou as pernas, sacou um cigarro e fumou no meio de nós, como alguém que estivesse nos anos 50. Depois comeu sardinha frita e limpou a boca com a toalha da mesa, gesto que não chocou ninguém, mas que contrastava com sua postura de lorde.
Todos ali tinham tanto a oferecer e eram tão generosos, eu tinha apenas os meus 19 anos e fiquei calado a maior parte do tempo com medo de dizer qualquer tolice. Eu havia lido, ocasionalmente, um ou outro poema do Bacellar e é evidente que tinha ouvido falar dele, mas não tinha a menor noção da grandeza de sua, breve e intensa, obra que só vim a conhecer de fato muito tempo mais tarde.
Hoje eu penso que a ideia que se fazia do Bacellar, como de alguém de trato difícil, talvez fosse exagerada. Lembro que naquela tarde memorável, enquanto o Nato Neto cantava e tocava no violão canções que ele havia composto de vários poemas, ele se dirigiu a mim e pediu que eu pedisse para o Nato tocar um poema seu que ele havia musicado. O Nato tocou uma música linda que falava sobre juritis. Depois ele me perguntou gostastes? Gostei, é muito bonito. Essas foram as únicas palavras que trocamos naquela tarde.
Depois desse dia eu só fui aparecer na panelinha anos depois, quando o Bacellar já havia morrido. E saber que houve tantos sábados que eu podia ter estado lá, teria gostado de vê-lo comer peixe e ouvir quando ele falasse. Eu o vi umas duas vezes mais: uma vez na Quarta literária e outra vez na Cafeteria do Pina. Soube que ele estava doente e que vivia seus últimos dias no Instituto Dr. Thomas, ensaiei diversas vezes ir visitá-lo, mas eu não tinha nada para lhe dizer e temia lhe aborrecer. Certo dia vi a notícia da sua morte no jornal, pensei em ir no seu enterro, mas não sei se esse gesto teria algum sentido.
Depois fui lendo sua obra e fui me dando conta da dimensão quase milagrosa da sua poesia, que poeta incrível era o Sr. Bacellar! A minha vida e o próprio mundo tornaram-se mais suportáveis. E pensar que este poeta andava por um rua incerta da mesma cidade que eu. Hoje se eu o encontrasse eu apenas diria muito obrigado!


domingo, 30 de julho de 2017

Manaus, amor e memória CCCXXVII


Lançamento de livro de Elson Farias (foto 2/2), anos 1960.
Da esquerda para a direita: Luiz Maximino (de paletó), Luiz Ruas (de óculos escuros), Francisco Vasconcelos (de paletó claro), Alencar e Silva (de óculos, paletó escuro), Marcos Frederico Krüger (ao fundo, de camisa clara), Aurélio Michiles (o penúltimo, de cabelo na testa) e Elson Farias (em primeiro plano, discursando).

sábado, 29 de julho de 2017

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Anavilhanas, laudes


Zemaria Pinto


serena manhã –
o mundo se movimenta
nos olhos do iguana

o barco pesqueiro
desliza delicadeza
sobre o espelho Negro

manhã de silêncios – 
a gaivota rasga o ar
em busca da presa

sobre o fundo verde
da floresta em movimento
– as flores silvestres

murmúrio das águas –
os raios de sol se espraiam
sob a morna brisa

fuga em revoada –
a dissonância dos pássaros
reinventa o dia

As oligarquias políticas no Amazonas



Crítica platônica à medicina do pobre


João Bosco Botelho


Possivelmente, a passagem de Platão pelo Egito foi responsável pelo resgate da lenda do deus egípcio Thot, protetor dos escribas, inventor dos números e dos cálculos, para criticar a substituição da memória oral já em curso naquele tempo na Grécia.
A divinização da memória, na Grécia, fez-se por meio da deusa Mnemosine, que lembrava aos homens os seus heróis e feitos, além de presidir a poesia lírica. A memória estava distribuída em funções especificas pelo poeta, resgatando o passado com os cantores, e pelo adivinho, prevendo o futuro. Estava intimamente associada com a vida e colocava-se como o contrário do esquecimento, aqui entendido como o sinônimo da morte desmemoriada.
Desse modo, a memória também apareceu como dom aos iniciados nas doutrinas órficas e pitagóricas, ligadas à crença da metempsicose, na qual a lembrança das vidas anteriores, um dos pontos angulares do orfismo, vencia o esquecimento decorrente da morte e fazia renascer (reencarnar) com o conhecimento acumulado da vida anterior.
O médico, até hoje, edifica a sua relação com o paciente sobre a anamnese ou reminiscência, buscando, nas informações prestadas pela memória do doente, os fatos que podem ajudar a esclarecer o diagnóstico.
Não há mais dúvida de que uma parte dos saberes médicos presentes na cultura grega, representa o produto sincrético do conhecimento dos povos, de regiões próximas, que antecederam a formação da Grécia.
De acordo com a mitologia grega, a Medicina começou com Apolo, filha de Zeus com Leto. Apolo é reconhecido na literatura com dezenas de qualificações, além de deus–curador. Foi também identificado como Aplous, aquele que fala de verdade. O seu poder era transmitido à água dos banhos que purificava a alma, e por isso era considerado o deus que lavava e libertava o mal. De modo geral, o herói grego estava quase sempre associado à arte de curar. Grande número de deuses e personagens da mitologia grega tinham, entre seus atributos, o dom de curar doenças e feridas de guerra.
Platão descreveu a necessidade da nova postura do médico no livro Político:
“Estrangeiro: É interessante. Dizem, com efeito, que se alguém conhece leis melhores que as existentes não tem o direito de dá-las à sua própria cidade senão com o consentimento de cada cidadão; de outro modo, não.
Sócrates, o Jovem: Muito bem! Não estarão eles certos?
Estrangeiro: Talvez. Em todo caso, se alguém dispensa esse consentimento e impõe a reforma pela força, que nome se dará a esse golpe? Mas, espera. Voltemos primeiro aos exemplos procedentes.
Sócrates, o Jovem: Que queres dizer?
Estrangeiro: Suponhamos um médico que não procura persuadir seu doente; senhor de sua arte, impõe a uma criança, a um homem ou a uma mulher o que julga melhor, não importando os preceitos escritos. Que nome se dará a essa violência? Seria por acaso o de violação da arte e erro pernicioso? E a vítima dessa coerção não teria o direito de dizer tudo, menos que foi objeto de manobras perniciosas ineptas por parte de médicos que as puseram.
Sócrates, o Jovem: Dizes a pura verdade.
Estrangeiro: Ora, como chamaríamos aquele que peca contra a arte política? Não o qualificaríamos de odioso, mau e injusto?”

Nunca é demais repetir esse diálogo porque refletiu uma explosão coletiva de consciência, como as que seguem as rupturas com o conhecimento acumulado, a ponto de refletir precisamente a nova posição social assumida pelo médico, capaz de poder interferir politicamente para modificar o conjunto social.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

terça-feira, 25 de julho de 2017

Você pode. Nós podemos


Pedro Lucas Lindoso


Há alguns anos era inimaginável que o filho de um queniano negro seria eleito presidente dos Estados Unidos. E reeleito. Enquanto no Brasil um metalúrgico nordestino também, surpreendentemente, foi eleito para presidir o país. Também reeleito.
Obama não pode mais ser presidente. Como ex-presidente, goza de prestígio e reconhecimento. Está “numa boa”. Não é caso de nosso metalúrgico. É candidato novamente, o que é proibido constitucionalmente nos EUA. E ainda responde a acusações e processos. Não está, como seu colega Barack Obama, “numa boa”.
 É lamentável que nossas ainda frágeis instituições democráticas não sejam fortes o suficiente para evitar graves desmandos das máquinas partidárias. Assim como as práticas recorrentes de corrupção. Acusações de malfeitos envolvem todos os partidos, independente do viés ideológico.
 A população está descrente dos políticos. Isso é triste e perigoso.
O povo do Amazonas está sendo convocado para escolher, extemporaneamente, um novo governador. Em meio a muita descrença, ouço que vários vão se abster ou votar em branco.
Sou contra o voto em branco e a abstenção. O político exerce um mandato. O instrumento de um mandato é sempre uma procuração. Ora, alguém exerce o mandato porque o povo escolheu. Se você votou em branco eu entendo que você está abrindo mão de escolher seu “mandante”. Você está dizendo, em outras palavras, “façam o que quiserem”.
Lula foi eleito convencendo o povo a não ter medo de ser feliz. O povo podia eleger um metalúrgico de esquerda. Obama foi eleito convencendo o povo de que também podia. Sim você pode. “Yes, you can.”
Eu acredito nisso. O Povo pode. Só você pode mudar o Amazonas. É isso. Só você pode. Só exerce um mandato quem tem uma outorga. Ou seja, um consentimento, uma concessão do povo. A necessária e definitiva aprovação.
Por isso eu insisto: não vote em branco. Nunca. Não dê cheque em branco. Jamais. Não assine papel em branco. Só uma pessoa pode mudar nossa cidade, nosso estado e nosso país: você.
Você pode. Nós podemos.


segunda-feira, 24 de julho de 2017

O escritor como criador de mundos


Clique sobre a figura, para ampliá-la.

domingo, 23 de julho de 2017

Manaus, amor e memória CCCXXVI


Lançamento de livro de Elson Farias (foto 1/2), anos 1960.
Da esquerda para a direita: Narciso Lobo, Márcio Souza, Luiz Maximino (de paletó), Luiz Ruas (de óculos escuros), Elson Farias (ao fundo, de paletó) e Luiz Bacellar (em primeiro plano, de paletó claro). 

sábado, 22 de julho de 2017

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Anavilhanas, vésperas


Zemaria Pinto


o coral dos encantados
vestido em verde/arco-íris
acompanha-se de naipes
invisíveis

a percussão da água
as cordas do vento
os sopros do sol
até o último
movimento

a capela, em pianíssimo,
a noite
com seus sussurros

Influência da astrologia na medicina


João Bosco Botelho


O encantamento pela astrologia como prática divinatória consolidou-se nos primeiros núcleos urbanos, em torno de quatro mil anos atrás.
As práticas divinatórias astrológicas continuam mantendo relações próximas com as antigas crenças e ideias religiosas estruturadas na Mesopotâmia.
Os vestígios dessa interessante dependência entre as pessoas e os astros reconhecíveis no céu estrelado podem ser rastreados em alguns registros da escrita cuneiforme. O sinal gráfico correspondente ao divino ─ elemento incomensurável e todo-poderoso do passado e do futuro ─ é o mesmo que designa a palavra estrela. Os deuses babilônicos Schamasch, Sin e Ischtar eram os guardiões do céu sob a forma do Sol, da Lua e do planeta Vênus, os três astros mais destacados do firmamento.
  Assim, a força da astrologia na modernidade não deveria causar tanta admiração. A fé no poder dos astros determinando o destino das pessoas e do mundo é tão antiga quanto as primeiras aglomerações urbanas.
Algumas palavras atuais estão repletas de significado astrológico. O prefixo latino menstruus, que originou menstruação, está ligado ao processo repetitivo de vinte e oito dias do mês lunar.
  Apesar das adaptações adquiridas também com os novos saberes sobre os elementos visíveis no firmamento, a astrologia divinatória conservou a primitiva estrutura de sedução: utiliza a adivinhação dedutiva, a partir da interpretação do movimento astral.
  Os médicos medievais, entre os séculos 8 e 11, criaram situações bizarras ao utilizarem a concepção neoplatônica de similitude entre o macrocosmo e o microcosmo, construindo extremados prognósticos astrológicos. Nesse período, predominava a certeza de que a saúde, a doença, a boa sorte, o azar, a sexualidade e a procriação estavam sob a decisiva influência dos astros.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

terça-feira, 18 de julho de 2017

Ilação. Serve para quê?


Pedro Lucas Lindoso


“São só ilações”, explicou o presidente a todos os brasileiros, sobre as denúncias a que ora responde no Congresso Nacional.
Todas as vezes que me deparo com uma palavra considerada “difícil” ou desconhecida do falante médio do português, me vem à mente o clássico conto de Arthur Azevedo – Plebiscito.
Quando é dita por autoridade constituída, explicando algo aos brasileiros, me lembro do escândalo da parabólica. Rubens Ricúpero, no ano de 1984, então ministro da Fazenda do Brasil, enquanto se preparava para entrar no ar ao vivo no Jornal Nacional, afirmou: "Eu não tenho escrúpulos; o que é bom a gente fatura, o que é ruim a gente esconde." Essa transmissão foi feita por meio do canal privativo de satélite da Embratel, acessível, naquela época, somente por antena parabólica.
Eu sempre faço o teste dos porteiros. Naquele dia perguntei ao porteiro de meu prédio:
– Pereira, você tem escrúpulos? No que ele respondeu:
– Nunca peguei esse troço, não doutor.
O que me levou à ilação de que no máximo dez por cento da população brasileira sabia o que era escrúpulo. Mesmo assim o ministro caiu.
Há alguns anos, no mesmo Jornal Nacional, o Ministro Marco Aurélio usou a locução latina “a priori”. William Bonner poderia ter explicado “a posteriori” a expressão utilizada pelo magistrado. Nem todos os brasileiros são bacharéis em Direito. Graças a Deus.
“São só ilações” é uma expressão usada quando queremos afirmar que um dado não é de todo preciso, que é baseado apenas em vagas deduções. Ao ouvir isso do presidente, resolvi fazer novamente o teste do porteiro.
O porteiro de onde moro atualmente não se chama Pereira. Chama-se Wallysson, e ao ser perguntado se sabia o que era ilação, me respondeu:
– Serve mesmo para que, doutor?
Na época dos escrúpulos achei que só dez por cento dos brasileiros entenderam o Ministro. Como a Educação piorou muito, a ilação que faço é que provavelmente só um por cento da população sabe o significado dessa palavra.
Mas acho que Wallysson tem razão. Ilação. Serve mesmo para quê?
Em anexo, para os que não conhecem, o magistral conto, já centenário, mas atualíssimo, de Arthur Azevedo. Vale a pena ler ou reler.


Plebiscito – conto de Artur Azevedo

A cena passa-se em 1890. A família está toda reunida na sala de jantar. O Senhor Rodrigues palita os dentes, repimpado numa cadeira de balanço. Acabou de comer como um abade. Dona Bernardina, sua esposa, está muito entretida a limpar a gaiola de um canário-belga. Os pequenos são dois, um menino e uma menina. Ela distrai-se a olhar para o canário. Ele, encostado à mesa, os pés cruzados, lê com muita atenção uma das nossas folhas diárias.
Silêncio. De repente, o menino levanta a cabeça e pergunta:
— Papai, que é plebiscito?
O Senhor Rodrigues fecha os olhos imediatamente, para fingir que dorme. O pequeno insiste:
— Papai?
Dona Bernardina intervém:
— Ó Seu Rodrigues, Manduca está lhe chamando. Não durma depois do jantar, que lhe faz mal. O Senhor Rodrigues não tem remédio senão abrir os olhos.
— Que é? Que desejam vocês?
— Eu queria que papai me dissesse o que é plebiscito.
— Ora essa, rapaz! Então tu vais fazer doze anos e não sabes ainda o que é plebiscito?
— Se soubesse não perguntava.
O Senhor Rodrigues volta-se para Dona Bernardina, que continua muito ocupada com a gaiola:
— Ó senhora, o pequeno não sabe o que é plebiscito!
— Não admira que ele não saiba, porque eu também não sei.
— Que me diz?! Pois a senhora não sabe o que é plebiscito?
— Nem eu, nem você; aqui em casa ninguém sabe o que é plebiscito.
— Ninguém, alto lá! Creio que tenho dado provas de não ser nenhum ignorante!
— A sua cara não me engana. Você é muito prosa. Vamos: se sabe, diga o que é plebiscito! Então? A gente está esperando! Diga!…
— A senhora o que quer é enfezar-me!
— Mas, homem de Deus, para que você não há de confessar que não sabe? Não é nenhuma vergonha ignorar qualquer palavra. Já outro dia foi a mesma coisa quando Manduca lhe perguntou o que era proletário. Você falou, falou, falou, e o menino ficou sem saber!
— Proletário, acudiu o Senhor Rodrigues, é o cidadão pobre que vive do trabalho mal remunerado.
— Sim, agora sabe porque foi ao dicionário; mas dou-lhe um doce se me disser o que é plebiscito sem se arredar dessa cadeira!
— Que gostinho tem a senhora em tornar-me ridículo na presença destas crianças!
— Oh! Ridículo é você mesmo quem se faz. Seria tão simples dizer: “Não sei, Manduca, não sei o que é plebiscito; vai buscar o dicionário, meu filho”.
O Senhor Rodrigues ergue-se de um ímpeto e brada:
— Mas se eu sei!
— Pois se sabe, diga!
— Não digo para não me humilhar diante de meus filhos! Não dou o braço a torcer! Quero conservar a força moral que devo ter nesta casa! Vá para o diabo!
E o Senhor Rodrigues, exasperadíssimo, nervoso, deixa a sala de jantar e vai para o seu quarto, batendo violentamente a porta. No quarto havia o que ele mais precisava naquela ocasião: algumas gotas de água de flor de laranja e um dicionário…
A menina toma a palavra:
— Coitado do papai! Zangou-se logo depois do jantar! Dizem que é tão perigoso!
— Não fosse tolo — observa Dona Bernardina — e confessasse francamente que não sabia o que é plebiscito!
— Pois sim — acode Manduca, muito pesaroso por ter sido o causador involuntário de toda aquela discussão — pois sim, mamãe; chame papai e façam as pazes.
— Sim! Sim! Façam as pazes! — diz a menina em tom meigo e suplicante. — Que tolice! Duas pessoas que se estimam tanto zangarem-se por causa do plebiscito!
Dona Bernardina dá um beijo na filha, e vai bater à porta do quarto:
— Seu Rodrigues, venha sentar-se; não vale a pena zangar-se por tão pouco.
O negociante esperava a deixa. A porta abre-se imediatamente. Ele entra, atravessa a casa e vai sentar-se na cadeira de balanço.
— É boa! — brada o Senhor Rodrigues depois de largo silêncio; — é muito boa! Eu! Eu ignorar a significação da palavra plebiscito! Eu!…
A mulher e os filhos aproximam-se dele. O homem continua, num tom profundamente dogmático:
— Plebiscito…
E olha para todos os lados, a ver se há por ali mais alguém que possa aproveitar a lição.
— Plebiscito é uma lei decretada pelo povo romano, estabelecido em comícios.
— Ah! — suspiram todos, aliviados.
— Uma lei romana, percebem? E querem introduzi-la no Brasil! É mais um estrangeirismo!...


domingo, 16 de julho de 2017

Manaus, amor e memória CCCXXV


Proximidades do porto de Manaus.

sábado, 15 de julho de 2017

quinta-feira, 13 de julho de 2017

poundiana



Zemaria Pinto


a essência consiste em ser medula

                      fluir

                     conter

                     podar:


                  condensar!

IGHA comemora o 10 de Julho

Clique sobre a figura, para ampliá-la.

Linguagens e a crítica da proteção pura



João Bosco Botelho


É possível que seja nas dimensões celulares e moleculares, dando forma à função e vice-versa, que ocorre a maravilhosa capacidade humana de construir ideias para compreender o invisível, o imponderável, para, depois, desvendar e nominar, transformando-o em objeto mensurável.
Esse conjunto reforça o entendimento dos discursos atados às linguagens e impregnados do saber acumulado historicamente. No contexto da multidisciplinaridade, as gramáticas são ideológicas por que expressam certo tipo de posse do real que marcam profundamente nos corpos os prazeres e as dores, sentidos e imaginados.
O objetivo primário da ação, a ideia seguida do movimento do corpo, por si mesmo, é o mais fundamental sentimento mantenedor da sobrevivência: a cooperação unindo todos para fugir da dor e buscar o prazer, aqui compreendido como as garantias da sede e da fome saciadas, abrigo contra o frio e o calor extremos, cooperação, territorialidade, sexualidade e descendência. Algo que poderia ser chamado de crítica da proteção pura. Não se trata, exclusivamente, do viver. O morrer pode representar, em certos instantes, o ato cooperativo dominante e, nesse caso, a morte representará a proteção pura.
Apesar de os estudos da anatomia e fisiologia terem desvendado aspectos importantes da forma e da função do cérebro relacionadas às linguagens, estamos longe, muito longe, de compreender a maior parte das dúvidas. A principal barreira é a fantástica multiplicidade das formas, nos seres viventes, gerando funções semelhantes: homens e mulheres possuem áreas cerebrais semelhantes, relacionadas às linguagens, contudo jamais se expressam igualmente nas linguagens, fazendo com que um texto ou uma pintura jamais possam ser copiados impunemente.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Fantasy Art - Galeria


Aurora's Veil.
Shaun William Kerr.


terça-feira, 11 de julho de 2017

Vovocidade ou avocidade?



Pedro Lucas Lindoso

Assim como existem as palavras paternidade e maternidade, deveria existir a palavra “vovocidade” ou “avocidade”. O exercício de ter netos. A qualidade de ser avós.
Reportagem recente de A Crítica fala de Renata, que não tinha sobrenome e nem documentos. Ganhou judicialmente esse direito à cidadania. Renata viveu até os dezoito anos numa instituição de acolhimento de crianças.  Sem nunca ter sido adotada, cresceu e se tonou adulta no orfanato, de onde saiu para a vida.
O sobrenome que adotou é uma homenagem a uma espécie de padrinho que tinha no orfanato. A Defensoria Pública argumentou em juízo que a ausência do sobrenome causava constrangimentos e impedia a prática de atos da vida civil.  A Vara de Registros Públicos atendeu ao pleito e foi incluído um sobrenome, mesmo que fictício, nos registros de Renata.
Está de parabéns a Defensoria, o Ministério Público e o Poder Judiciário. Renata, muito feliz, disse que vai entrar com ação para mudar o registro dos filhos e regularizar a situação do mais velho, que mora com ela, mas o pai é que tem a guarda do menino.
Pensei nessas crianças que nunca terão avós. Jamais saberão o que é “vovocidade”. Dia 26 de julho é comemorado o dia dos Avós, data promulgada pelo Papa Paulo VI em homenagem a Santa Ana e São Joaquim, pais de Maria, mãe de Jesus. Apesar da referência católica, o dia entrou para o calendário laico, pelo menos, no Brasil.
Minha neta Maria Luísa tem avós maternos e paternos. Os quatro exercem com alegria, plenitude e muito amor essa função divina e maravilhosa da “vovocidade”. Não é preciso muito esforço para notar como a interação entre netos e avós é positiva. A convivência é muito benéfica para ambos.
Maria Luísa é uma privilegiada. Levá-la para passear e brincar não é uma obrigação ou uma forma de gastar a energia dela. Estar com a nossa netinha é uma oportunidade deliciosa de curtir e se divertir de verdade com ela.

É um grande contentamento o exercício da “vovocidade”. Ou seria “avocidade”?

segunda-feira, 10 de julho de 2017

“Pátria amada, Brasil” acabou na República da Propina



David Almeida

Oh, Mãe gentil, como estás distante do povo heroico o brado retumbante, de quem tanto te ama e te tem como Pátria amada, Brasil. Mesmo com as mãos calejadas pela construção das tuas riquezas, mesmo com as mãos atadas pelo sol da tua liberdade, mesmo assim; por ti maltratados, desprezados, marginalizados, desvalorizados, ainda se emocionam aos primeiros acordes do teu hino, fechando os olhos, colocando a mão no peito, cantando, vibrando por puro respeito ao amor verdadeiro, mas na realidade, a “Pátria amada, Brasil” acabou na “República da Propina”.
Aí, dizem que essa “pavulagem” toda começou carregada, até o “tucupi” de emoção e muita coragem, num cenário lindo, demostrado num quadro de Pedro Américo, no seguinte endereço: às margens plácidas do Rio Ipiranga, s/n, e sem bairro – na beirada de um rio mesmo. E, lá estavam todos aqueles, que são, realmente, uns filhos... dessa mãe gentil; e, que, de lá pra cá, usufruem de tudo, e pouco ou quase nada fizeram; somente, aguardavam o momento para lançar pra valer, a pedra fundamental da construção da “RP” (República da Propina). Daí veio o brado com a tão famosa frase: “Independência ou morte” – hoje, “seriozinho manuzinho”, eu gostaria de gritar “pega ladrão”, e foi aquele alarido.
O grito ecoou nas matas, encrespou as águas do rio, os pássaros saíram em revoada querendo “sair fora da parada”, mas a “cabocada”, quando viu aquelas espadas todas levantadas brilhando ao sol, “tremeu nas bases”, e ficou ali, seguindo, sempre dependendo, morrendo, subtraído da ponta dos pés, até o último fio de cabelo. Contudo, independente de morrer ou viver, a “RP” – por cima da carne seca – foi crescendo, crescendo, e de mão em mão foi passando, até tomar conta do penhor dessa igualdade. E, é muita “propina” pra pouco dono! Essa “República” continuou crescendo, passando de mão em mão, se repartindo, se multiplicando. Cada fatia da “propina”, “democraticamente” tem seu dono, seu lugar, mas, porém, todavia, contudo, não obstante, a vida dos donos da propina passa incólume, sobre os filhos deste solo, como um gigante pela própria natureza.  
Essa onda de Pátria amada, idolatrada, salve, salve, até agora, não salvou bulhufas nenhuma, a não ser muita propina para os bolsos de poucos, e tudo continua sobre as mãos dos que sempre surrupiaram o que o povo produz – pra ser mais real – é o Reinado da Propina, onde eles têm livre acesso à riqueza produzida por essa gente, que, realmente, nunca “fugiram do trampo”; onde os que trabalham e buscam a honra, a honestidade, para viver e interagir, livre, no relacionamento com o seu semelhante, não tem o direito de pensar, de se vestir como cidadão,  para, pelo menos, admirar a imagem do real resplandecer da vida, né?
O sol da liberdade em raios fúlgidos deixa, literalmente, na escuridão um povo despido, desamparado, sob o bafo de um mormaço angustiante, à espera de fiapos de luz, que poderão vazar, ou não, pelas frestas, das festas iluminadas pelos “propineiros”, e os olhos gulosos da ganância no domínio desse pedaço de chão que bem poderia ser de todos.
Ah, minha Pátria amada, salve, salve os pobres que a duras mãos te constroem, te sustentam, te cobrem de fartura e vivem à espera do milagre do pão, que se petrificou de tanto esperar a mão que continuaria o milagre, deixando outras mãos fazerem milagres em prol de suas mochilas e malas pretas.
Levanta-te, sua “cuirona”, desse berço esplêndido; espia ainda, “manazinha”, sente o amor do teu povo, conduzido feito gado, nos caminhos risonhos dos teus lindos campos floridos. Enquanto cochilas eternamente, o mundo festeja o teu sono, ao som do mar e à luz do céu profundo, e gostam de te ver assim: inerte, passiva, emotiva, sob os olhos ávidos da águia, que cheia de “amor e de esperança à terra desce.”
O futuro não espelha mais a tua grandeza, porque a essa altura do campeonato, de tanto tirar, roubar; de tanto matar, ferir, vais ficar “gitinha”, pálida, desbotada.
O céu e o sol soluçam sobre um lençol cinza cobrindo o que era verde-louro da tua flâmula. Só a propina brilha no céu da Pátria nesse instante, e um aviãozinho, cheio de “pavulagem”, que passa pra lá e pra cá, levando, para lavar a jato, o lábaro, que um dia poderemos ostentar, estrelado, sob a curva da ordem e do progresso.  

É hora de acordar sob o signo da verdade e da justiça, sentir claridade e transparência neste país – quiçá, um dia, iluminado ao sol do novo mundo. Aí, sim, poderemos estufar o peito, e ir de supersônico, pra um futuro digno, e, orgulhosamente, dizer: “Dos filhos deste solo és mãe gentil, Pátria Amada, Brasil”!          

sábado, 8 de julho de 2017

quinta-feira, 6 de julho de 2017

muito prazer



Zemaria Pinto

                                                  sou um dos 999.999 poetas do país
                                                 (Affonso Romano de Sant'Ana)

Manaus tem um poeta a cada esquina?
pois eu confirmo e assino embaixo
e refaço a conta affonsina:

inofensivos poetas
a olhar Manaus com olhos
de Ajuricaba louco
mergulhando no chafariz da praça
e afogando-nos em esperma
cozido pelo sol passante

como os leprosos que passeiam
sua infeliz cidade (ah, morena)
nos calcanhares da engarrafada 7

love, sandem, guaraná
as cores inebriam rútilas pupilas
sonadas pela erva-doce

e a cidade anoite/amanhece
com o estourar das flatulências cotidianas:
um escolar quebra um ônibus
um bêbado assobia o Bolero
um deputado vitupera comunistas
um ...
(indefinidamente, mediocridades diárias)

e haja hipocrisia, malária, meningite
corrupção, hepatite
paternalismo, autoritarismo
desidratação
aborto fabricado em fundo de quintal
jogo do bicho, mormaço, banca de jornal
Ulysses, Grande Sertão, Tartufo, O Capital

e

nevermore nevermore
repete como um demente
o velho urubu ianque
pousado nos meus umbrais

só depende de você, caia na real:
se você disser que eu não rimo ou metrifico
te dou um beijo na boca
e te xingo parnasiana!

(ah, antes que eu me esqueça,
esta rua tem nome de poesia:
– Tomás Antônio Gonzaga
redondilhas pra Marília –
e só aqui no D. Pedro*
há pra mais de 100 esquinas)



* Conjunto habitacional, onde funcionava o bar Ecológico, onde este poema foi lido em público pela primeira vez.

Linguagens, prêmios e castigos


João Bosco Botelho
     
Apesar dos avanços na genética e nas imagens do corpo, continuam os entraves ao acesso do cérebro humano. Contudo, os casos clínicos acidentais são capazes de levar aos grandes progressos. Um desses, na Universidade Western, Ontário, refez conceitos em torno da consciência não manifesta (ou aparente descompasso entre o comportamento manifesto e a memória) com uma doente com dano cerebral por intoxicação de monóxido de carbono. Quando ela se recuperou, era incapaz de identificar a xícara de chá, todavia os movimentos para segurá-la e leva-la à boca eram normais.
Esse tipo de comportamento alterado reforça a existência de, pelo menos, duas formas diversas do reconhecimento visual: uma dependente da percepção e a outra das funções motoras.
O outro relato significativo, identificado pelo suíço Édouard Claparède (1873-1940), um dos mais influentes da escola da psicologia funcionalista, descreveu a paciente portadora de distúrbio para assimilar fatos recentes. Na consulta inicial, ao cumprimentar o entrevistador, ela teve a mão levemente furada de modo intencional por um alfinete. No dia seguinte, não reconheceu ninguém, porém se recusou a repetir o gesto que provocou dor.
Esse fato sugere natureza física ao conhecimento historicamente acumulado em torno do controle social: oferecer o prazer pela obediência e a dor como castigo à indisciplina. Como chamamento, as linguagens laicas e religiosas oferecem: promessa de prolongar a vida, trabalho ameno, comida farta, maior liberdade sexual, espaço sagrado (templo) ou profano (partido político, tribunal) para defender a causa comum e julgar os resistentes, aumento da proteção individual e coletiva e melhoria das situações temidas, causadoras de desconforto: a fome e o frio. 
Algo muito poderoso se passou na intimidade da memória acumulada na espécie humana: o êxtase do quanto fascinam os homens e as mulheres alegorias simbólicas que ligam a recompensa do prazer aos que obedecem e da dor aos desobedientes!